A proposta do Ed. Buenos Aires 350 é oferecer alternativas à mesmice dos projetos imobiliários priorizando a sustentabilidade, a pequena escala e a economia inteligente. O carro compartilhado, as ciclovias e a economia que serve muitos ao invés de poucos apontam para uma arquitetura que consome menos e propõe mais para a cidade: uma nova relação dos prédios com a rua, um novo conceito de térreo, uma revalorização da escada comum e das áreas abertas.

O projeto tem apartamentos com terraços privativos e ventilação cruzada. As áreas comuns são as estritamente necessárias e os materiais são básicos e atemporais. Não há fitness center, home office, bar lounge, baby care nem kids club; mas há nove “casas” com terraços ensolarados. Sempre integrados às salas, eles funcionam como pequenos quintais.

O prédio tem gabarito bem mais baixo que seus vizinhos e explora os afastamentos laterais em volumetria de plástica escalonada. Apesar dos vizinhos altos e sisudos, o escalonamento permite a incidência do sol em todos os quintais. Os nove apartamentos são todos diferentes entre si e, apesar de compactas, todas as unidades têm layouts otimizados e únicos.

O estacionamento é verde e aberto. A garagem se torna um jardim, um olho urbano – ou quem sabe um playground ou uma sala de estar! (ver layout da planta da garagem.) Com a iminência do carro autônomo num futuro próximo, quem sabe a posse do carro será desnecessária e as garagens haverão que se transformar em espaços multifuncionais. Daí que o ambiente que nos outros prédios é uma área inóspita e escura, aqui é a porta de entrada de um edifício integrado à rua.

Outras várias informações sobre o BsAs estão diponíveis no site NovoMorar.

Fotos: Eduardo Eckenfels, Leonardo Finotti, Leonardo Rodrigues, Daila Coutinho